Quer criar seu próprio infoproduto?

Inscreva-se e receba um minieBook para saber mais hoje mesmo!

Você tem o poder ou dom da cura

 

Fala-se muito em dons dentro das igrejas. É dom disso e daquilo. Certas pessoas vivem cinquenta anos e não mais que de repente “descobrem” que têm um determinado dom.

É claro que Deus, através do Espírito Santo dá dons. Não há em mim a menor sombra de dúvida de que Deus pode fazer qualquer coisa. E faz, realmente.

Entretanto, Deus não faz as coisas de acordo com as vontades capengas de quem de repente quer “ter um dom”. Portanto, não fiquemos por aí choramingando e pedindo “dons” a Deus segundo nossos interesses pessoais, porque Deus não vai nos dar estes “dons”.

Você está pedindo o que já tem?

Na ânsia de pedir e pedir, muitas vezes as pessoas não percebem que, além de pedir coisas egoístas, segundo seus próprios interesses, por vezes pedem aquilo que já têm.

O caso da cura, por exemplo. Ao invés de agradecermos a Deus pelo que já temos, ficamos querendo “aprender” a curar dor-de-cabeça, unha encravada, dor no branco dos olhos e assim por diante.

Ora, Deus nos deu inteligência muito mais que suficiente para curar tais coisas. Temos os mais avançados remédios para acabar com dores em poucos instantes. Mas não. Certas pessoas querem – isso sim – mostrar aos outros que podem “curar”.

Não digo que isto não seja possível. É claro que é. Como já disse, Deus pode todas as coisas. Mas porque ele faria algo assim? Dar um “dom de cura” para que alguém “curasse” uma simples dor-de-cabeça? Sendo que ali mesmo, dentro da igreja deve haver pelo menos uns trinta frascos de remédio, de diferentes marcas, finalidades e por aí afora?

A medicina hoje em dia cura doenças que há pouco tempo atrás matavam muita gente. Graças a quem? A Deus, é claro. Que nos permitiu desenvolver poderosos remédios que, se não curam tudo, certamente estão fazendo com que as pessoas permaneçam por mais tempo aqui nesta terra…

Mas eu vou mais longe ainda. Esqueça os médicos e remédios. Observe seu corpo. Mal aparece qualquer coisinha e lá está o sistema imunológico reagindo, combatendo a doença. Ou seja, Deus nos deu o poder da cura para muitas doenças, sem que ao menos percebamos o que o corpo está fazendo.

Mas não. Queremos reiventar a roda.

Este pensamento me ocorreu estes dias, e resolvi escrever isto, porque talvez alguém possa enxergar a inutilidade de um “dom” desta qualidade. E trabalhar em algo que realmente seja útil. Algo tangível, alguma coisa que possa trazer benefício para outras pessoas.

Como por exemplo, trazer pessoas para Jesus, para a vida eterna, a salvação. Não há mal algum em curar doenças físicas, muito pelo contrário. Mas a maior cura é esta. A salvação através de Jesus Cristo.

Cuidado, não tire conlusões precipitadas. Entenda bem o que estou dizendo. Não vá você aí concluir que não se deve orar pelo restabelecimento de uma pessoa doente. Todos os recursos que Deus nos deu podem e devem ser usados. O que estou dizendo é que devemos agradecer e utilizar aquilo que já temos e trabalhar para obter o que precisamos e ainda não temos.

Eu, por exemplo, já ouvi gente dizendo: “ah, não venho mais a esta igreja… vou naquela outra, porque lá tem cura…”. Aí pensei bem assim “…pobre coitado…”. Além de ficar pulando de galho em galho (ou igreja em igreja, como queira…), ainda quer ficar no lugar onde “tem cura”. Porque ele quer ser doente.

Uma pessoa assim, vai procurar Deus a vida inteira. E não vai achar.

O verdadeiro dom da cura

Creio que o problema com dons, incluindo o dom da cura, é a falta de fé. Nossa fé é pouca, como queremos sair por aí curando? Por isso, antes de sair por aí pedindo a Deus que nos dê dons é melhor trabalharmos a nossa fé.

Nós somos cabeças-duras. Queremos colocar a carroça na frente do cavalo.

É claro que se uma pessoa consegue curar alguém realmente, com imposição de mãos, por exemplo, há uma boa chance de que passe a ter mais “fé”. Seria isto fé verdadeira? É claro que não. Acreditar sem ver é ter fé.

Quem fica pedindo e pedindo dons e não tem sequer uma isca de fé, vai pedir a vida inteira.

Concluindo… procure em você mesmo o que Deus já te deu. Talvez você tenha uma surpresa, ao descobrir quantos dons já tem. Use-os, em nome de Jesus.

About the Author Bruno

3 comments

Comments are closed