Por que seu negócio precisa da internet

Para que você tenha uma idéia da real importância da internet, veja o que eu penso a respeito…

Se alguém me diz  “A internet não funciona para o meu negócio…”, eu só penso uma coisa: ele (ou ela) não sabe o que está dizendo.

Sim, é bem isso. Cite-me qualquer tipo de negócio, seja comércio, indústria, serviço. E eu lhe mostro como aquele negócio precisa estar na internet. Repare… eu disse precisa, não pode ou deveria.

O que acontece hoje em dia quando alguém precisa de algum produto ou serviço? Você sabe… em menos de 10 segundos a pessoa sacou o celular, clicou, digitou. E provavelmente… achou. Você estava lá? Seu negócio apareceu nos cliques e recliques daquela pessoa? Sim? Bom para você. Não? Você perdeu um possível cliente.

Mas… há esperança. Aliás, mais que isso. Saiba que você não precisa exatamente aparecer numa possível busca daquela pessoa. Você pode fazer ainda melhor que isso. Sim! E não é algo tipo “Uau! Que excelente idéia!”. É algo simples:

Você deve estar presente antes da pessoa decidir-se a comprar.

E por que? Em primeiro lugar, aparecer gratuitamente numa possível busca do Google, é praticamente impossível. Aparecer em várias buscas, com termos diferentes… pior ainda.

Por isso o que você precisa fazer é o contrário: você busca o cliente potencial. E coloca seu negócio diante dele. O pior que você pode fazer pelo seu negócio é esperar que as pessoas venham até você. Sabe o que vai acontecer? Elas não virão.

Como eu faço isso?

Já explico. Antes, deixe-me ver se você se identifica com alguns dos pensamentos a seguir.

A grande maioria das pessoas assume que “estar na internet” é:

  • Ter um site
  • Anunciar
  • Ter um blog
  • Postar no Facebook

Hora de você dizer: e o que há de errado com isso? Nada. Se as pessoas fizessem as coisas certas. Porém, o que eu vejo na esmagadora maioria dos casos é:

  • Sites que não servem pra nada
  • Anúncios que só servem pra gastar dinheiro à toa
  • Blogs inúteis
  • Posts mais inúteis ainda

E assim por diante. Empresários, empreendedores e gerentes vão disparando suas metralhadoras de “divulgação” a torto e a direito. E quando não obtém resultados, colocam a culpa em quem? Na internet. É a mesma coisa que montar pela primeira vez num cavalo, cair, e colocar a culpa no cavalo.

O que é “Estar na internet”?

Sinta o drama: Atualmente, (dezembro de 2017) existem mais de 1,2 bilhões de sites na internet. É um número tão estupidamente grande que não dá nem pra imaginar. Por isso eu acho ao mesmo tempo engraçado e triste quando alguém vem me mostrar que “fez um site”. Já vi isso zilhões de vezes. O cara faz um site todo arrumadinho, cheio de lindas fotos e “coloca na internet”. O que você acha que vai acontecer com aquele site, em meio a mais de um bilhão de sites? Exato. Vai ficar praticamente invisível.

Isso talvez leve você a pensar: “Então não vale a pena fazer um site?”. Bem se eu afirmasse isso, deixaria você bem à vontade pra me chamar de louco, certo? Pois onde é que você está lendo este texto? No meu site. Sim, vale a pena ter um site. É necessário ter um site. Porém, assim como a história de montar a cavalo, é preciso aprender como usar um site. É preciso aprender O QUE colocar no site. E depois aprender COMO levar clientes potenciais até o site. E mais: é preciso também aprender INICIAR UM RELACIONAMENTO com as pessoas que visitaram o site.

Veja só… mesmo que um site tenha milhares de visitas, de que adiantaram as visitas se as pessoas entraram e saíram e você não sabe quem são, de onde vieram e para onde foram? Perda de tempo. Eu conheço sites assim. Têm milhares de visitas. E zero de rendimento.

E anunciar? Como é o negócio?

Outra área em que vejo um desperdício de dinheiro terrível. E se existe algo que eu abomino é desperdiçar dinheiro. Esse treco não dá em árvores à beira da estrada.

Eu já vi muito isso: “Ah! Vou colocar um anúncio no…”. Sério? Aí lá vai… coloca um anúncio qualquer sei lá onde, sem qualquer critério, objetivo. “Ah, mas serve pra divulgar a marca…”. Meu Deus… Não, não serve. Um anúncio sem um objetivo específico e não apoiado por uma estratégia de marketing não serve pra nada. A não ser pra jogar dinheiro fora.

Aí o cara aprende a falar “É um anúncio institucional…”. Faça-me rir. Se você é um pequeno empresário ou empreendedor, risque este termo do seu vocabulário. Anúncio institucional é um luxo reservado a empresas milionárias. Nós, petiticos, não podemos nos dar a luxos deste naipe. Nossos anúncios precisam trazer resultados. Vendas. Dinheiro. Não podemos “gastar” em anúncios. Precisamos obter retorno. Se gastarmos R$ 1.000,00 com anúncios, que sejam cobertos totalmente com o retorno dos mesmo anúncios. Se é que me faço entender.

E como fazer site, blog, post e anúncio funcionarem?

Ah, sim… com “funcionar” eu quero dizer “vender”. Produtos, serviços, lá o que seja. Como se faz isso tudo gerar vendas? Assim:

  • Páginas com informações relevantes sobre o seu negócio
  • Sistema de email marketing
  • Páginas de captura de emails
  • Página no Facebook
  • Anúncios no Facebook

Uma nota aqui… Talvez você esteja querendo saber por que falo em anunciar especificamente no Facebook. É simples… Mais de 130 milhões de brasileiros usam Facebook. Os anúncios são muito mais baratos que no Google. O Facebook oferece bons recursos para anunciar.

Parece pouco? Bem… na verdade não é um “bicho de 7 cabeças”, mas para que funcione é preciso saber:

  • Criar o conteúdo (textos no site e emails)
  • Configurar corretamente o sistema de email marketing
  • Criar páginas que convertam
  • Criar anúncios que convertam
  • Gerenciar, fazer testes e modificar conforme a necessidade

Isso tudo, eu garanto, dá um trabalho miserável. Eu poderia dizer a você que é simples. E digo: é realmente simples, mas muito trabalhoso. Veja por que é simples:

  1. A pessoa vê o seu anúncio e se interessa
  2. A pessoa clica e é direcionada para o seu site
  3. No site, a pessoa recebe informações importantes a respeito da sua empresa/negócio/produto.
  4. Na mesma página, a pessoa e convidada a inscrever-se para receber mais informações
  5. As pessoas que clicaram em seu anúncio são marcadas pelo pixel do Facebook
  6. As pessoas marcadas pelo pixel serão “alimentadas” com mais anúncios seus
  7. Destas pessoas, algumas vão clicar novamente e serão direcionadas a outra página do seu site
  8. Esta nova página pode conter mais informações ou ser uma simples página de captura de email
  9. A partir do momento em que a pessoa se inscreve em sua lista de email, passa a receber uma série de emails com informações, que irão culminar na sua oferta.

Não é complicado. Veja qual o princípio da coisa: Quando você for finalmente oferecer seu produto ou serviço, não estará mais falando com um completo estranho. As pessoas já têm, a esta altura, um certo conhecimento sobre você e seu negócio. E estão mais inclinadas (caso você tenha feito direito seu trabalho) a comprar de você.

Em alguns casos, este processo precisa ser mais rápido. Por exemplo, em certas áreas de prestação de serviços. Digamos, um encanador (Sim, um encanador também pode e deve usar a internet). Alguém que chama um encanador não precisa aprender quais tipos de canos se usa numa casa, precisa? Não. Quem chama um encanador geralmente está com algum problema em sua casa, que precisa ser resolvido rapidamente. Neste caso, um anúncio deverá ser direcionado para uma página de contato. Porém com a possibilidade se se colher algum dado (email) da pessoa. Dando à pessoa a oportunidade de ligar e solicitar uma visita.

Cada tipo de negócio pode necessitar de uma estratégia diferente. Mas de qualquer maneira, você sempre terá os contatos armazenados em seu sistema de email.

E se eu tiver um site com um certo número de visitantes?

Melhor ainda. O que você deve fazer é aproveitar o conteúdo e passar a colher emails com seu novo sistema de email marketing. Jamais jogue fora algo que você já tenha feito, antes de ter certeza que é lixo mesmo. E como saber? Analise. Quais páginas, artigos do seu site estão sendo visitadas? Por que as pessoas visitam aquelas páginas? O que elas vão procurar? Acredite, muitas vezes um artigo que somente 100 visitas por mês pode vender mais do que outro com mil visitas. Por que? Porque a busca por aquele artigo tem uma intenção de compra e o outro não.

Sobre email marketing

Eu já conheci muita gente que torce o nariz quando ouve o termo email marketing. Muitos já enfiaram na cabeça que “email está morto”, devido ao novos aplicativos, como Whatsapp.

Não, email não está morto. Pelo contrário. Suas características o diferenciam de qualquer aplicativo que se use hoje em dia.

Uma delas é a privacidade. Enquanto outros aplicativos (email é um aplicativo, pois não?) são mais abertos, o email continua sendo aquele “cantinho” particular.

Email seria como uma carta. Enquanto um whatsapp, por exemplo, seria um bilhete, ou um walkie-talkie.

Mas a principal característica do email (a que nos interessa aqui), é que o ambiente já é tido como propício às compras. As pessoas já recebem mensagens de marketing no corpo do email há muito tempo. Já estão habituadas. 

É claro que seria possível fazer a mesma coisa com outros aplicativos. Mas seria preciso pedir número de celular para as pessoas. Quem é que sai dando o número do celular a torto e a direito? Ninguém. E mais… Quem estaria disposto a receber uma avalanche de publicidade num aplicativo feito para bater papo?

Ok… O fato é que ainda se usa – e muito – o email.

Se ainda não está convencido e acha que os outros aplicativos “da moda”estão dominando, responda a esta pergunta: O que é que os outros aplicativos pedem a você para se cadastrar? O seu email!!!

E outro fato é que incontáveis “marketeiros-marreteiros” pensam que email marketing é catança indiscriminada de emails alheios e envio também indiscriminado de propaganda. Isso não é email marketing. É lixo. É SPAM – envio de mensagem indesejada.

Existem “empresas” que oferecem a você seus “serviços” para envio de emails, e que incluem no pacote emails de pessoas para as quais você já “pode” enviar sua propaganda. Eles dizem que os emails são “autorizados”. Não é verdade. Veja só… a pessoa pode até ter autorizado a empresa de alguma forma, mas não autorizou especificamente você. É SPAM. Tanto é que estas empresas utilizam algoritmos e diferentes servidores para driblar os servidores de emails, tentando escapar de uma eventual “lista negra” de SPAM.

Portanto, você já fica de antemão avisado: só há uma forma de enviar email marketing honesto. E é dizendo à pessoa que ela irá se inscrever em seu boletim ou newsletter, seja lá o nome que você queira dar à sua lista. E explicar o que irá acontecer depois da inscrição. Além disso, você deve deixar bem claro e explicado que a pessoa pode cancelar a inscrição quando bem desejar, sem qualquer constrangimento. E também sem nenhuma exigência. Bem simples. Clicou, cancelou e até logo. 

Porém, assim como todo o resto, fazer email marketing não é “disparar”uma tonelada de emails diários com a oferta do seu produto ou serviço. Através do email marketing você irá manter um relacionamento com os inscritos. Vai dar informações e dicas valiosas. E vai preparar futuros compradores.

Como começar?

Por trabalhoso que seja, é possível colocar uma estratégia de marketing deste tipo em pouco tempo. Eu sou a favor de fazer as coisas funcionarem rapidamente. Nada de ficar meses planejando e anos executando.

O que você precisa para começar:

  • Um domínio seu, nada de site grátis
  • Pelo menos 2 páginas no seu site
  • Uma empresa provedora de serviço de email marketing
  • Uma conta de anúncios no Facebook
  • Uma página para o seu negócio no Facebook

O que fazer:

  • Comprar um domínio (Se ainda não tem)
  • Contratar hospedagem para seu domínio
  • Criar seu site
  • Estabelecer uma estratégia simples de captura de emails
  • Criar páginas para o seu site
  • Configurar sua lista de email
  • Criar sequências de emails de envio automático
  • Criar formulários de inscrição via email
  • Instalar os formulários em seu site
  • Criar anúncios no Facebook
  • Fazer testes e modificar conforme necessário

Como eu já disse, dá trabalho. Mas compensa. Eu garanto a você que é uma grande satisfação ver o sistema funcionando. Diariamente sua lista de emails vai crescendo e suas vendas aumentando. Mas eu ainda não falei da melhor parte disso tudo…

Após algum tempo, aquelas maravilhosas pessoas que enviam dinheiro a você em troca do seu produto ou serviço, não estão mais “perdidas” pela internet afora. Elas estão em sua lista de email marketing! Você é dono da lista, não o Google ou Facebook. Você está no controle. E você vende não só uma vez. Vende várias vezes para a mesma pessoa!!! Isso não tem preço. O seu esforço e dinheiro investido serão recompensados.

Como vou saber se isso funciona para mim?

Bem… se você leu tudo, já sabe que eu acredito que funciona para qualquer tipo de negócio. Grande, pequeno ou muito pequeno. Veja o meu exemplo… pense num negócio pequeno. Pensou? Eu. Sou um empreendedor individual. Trabalho sozinho. Bato o escanteio e subo pra cabecear.

Mas para não ser tão absoluto assim, admito que pode haver algum tipo de negócio em que a aplicação de uma estratégia assim seja algo complicado. Eu não sei qual seu tipo de negócio, certo? Cabe a você botar a massa encefálica pra trabalhar.

Comece pensando em seu público, as pessoas que compram de você. Como elas chegam até você? Por exemplo… eu conheço pequenos negócios que adquirem seus clientes via indicação. Na área de prestação de serviços, por exemplo, este é um excelente canal de marketing. Um bom serviço prestado pode resultar em muitas indicações. É claro que um profissional que tem muitas indicações pode usar este sistema e conseguir mais clientes. Mas pode ocorrer que ele simplesmente não queira. Porque não iria dar conta do volume. Porque não tem interesse em ampliar seu negócio. Porque sua agenda já está superlotada. E também porque prefere trabalhar somente por indicação.

Outra idéia que me ocorre… pessoas de mais idade. Anciãos. Acima, vamos dizer, de 75 anos. Estas pessoas compram produtos, serviços. Mas muitas delas não usam a internet. Ou usam muito pouco. Neste caso, é preciso testar. Suponhamos que você venda algum produto ou serviço para este público. Antes de pensar “Ah, mas aí o Facebook não vai funcionar”, faça testes. Porque pode ser que pessoas da família do ancião vejam seu anúncio! Tcharammmm!

Ou você é dono de uma loja de bairro. Somente os moradores locais vão à sua loja. De novo… faça testes. No Facebook é possível anunciar somente para o seu bairro. Ou seja, você não vai desperdiçar seu dinheiro anunciando para pessoas que estão muito longe da sua loja e jamais iriam até lá.

Pode ser que você esteja pensando: “Afinal, esse cara já obteve resultados com isso?”. E eu respondo: É claro que sim. Eu não inventei essa história toda… Eu uso este sistema diariamente. Na área de livros e cursos já fiz mais de 2 mil vendas. Então… sim, já obtive e continuo obtendo resultados.

Agora… uma dica importante

Quer saber como esse negócio funciona? Está bem aqui, diante dos seus olhos. Eu fiz com que você chegasse até esta página. Se você chegou através do Facebook, já está marcado pelo pixel e se frequentar o Facebook regularmente verá mais anúncios meus.

Certo… mas e o resto do sistema? O email marketing? Quer saber como a história continua? É simples: Inscreva-se via email através do formulário abaixo. Assim você receberá minha série de emails e terá um visão completa da estratégia.

Não se preocupe, você pode cancelar a inscrição a qualquer momento, sem o menor problema. Eu nem vou perguntar por que você saiu… Tá bom assim?