Quer criar seu próprio infoproduto?

Inscreva-se e receba um minieBook para saber mais hoje mesmo!

Locutor mendigo ou mendigo locutor?

como saber - Ted williams

Assim que fiquei sabendo da história de Ted Williams, entrei um pouco na onda do ooooohhh! Mas logo depois comecei a pensar e cheguei à conclusão de que não há nada de extraordinário nela. Nem de um lado, nem de outro. Senão vejamos:

Pelo lado de Ted Williams

  • Ele tem uma bela voz, sem dúvida. Voz de locutor. Mas se você acha que é única, talvez não tenha prestado atenção à voz do locutor da sua rádio FM preferida. Ted Williams tem o timbre preferido das rádios. Assim como ele, há milhares de locutores com o mesmo timbre de voz. Alguns empregados. Outros não. O que há de extraordinário aí? Na minha opinião, nada.
  • Ted Williams estragou grande parte de sua vida com álcool e drogas. E foi parar na rua. Assim como ele, houve, há e haverá milhares e milhares de pessoas que acabam fazendo isto. Muitas delas sem talento algum. Algumas, com certeza, têm algum talento especial, algum dom, assim como Ted. Alguma novidade? Não.
  • Ele – Ted – afirma estar “clean” há dois anos. O que quer dizer que ele não estaria usando álcool ou drogas neste período. Bacana. O único pormenor aí é: se ele esteve legalzinho por todo este tempo, porque não estava trabalhando? E não estou dizendo especificamente de locutor. Um outro trabalho qualquer. Porque permaneceu nas ruas? Porque ninguém dá emprego a mendigos? Porque foi presidiário? Porque não tinha roupas (essa é a pior…)? Ou talvez para ser achado por alguém que o tirasse da rua?  Nos Estados Unidos ficar sem trabalho por dois anos – procurando – é quase impossível.


 

Não estou aqui querendo “fazer a caveira” de Ted Williams. Mesmo porque este blog é “tão lido…”. Só estou deixando a minha impressão sobre o assunto.

Pelo lado dos “descobridores”

  • Aqui nem tem muito o que falar. Teve gente que já fez muito melhor. Quer uma prova? Lembra-se do sujeito que filmou a companheira de trabalho que não conseguia falar www.youtube.com? Este fez muito, mas muito mais bonito. Encontrou uma pessoa que tinha um problema para falar certas coisas. E não alguém com um dom. Se não lembra, veja o video:


 

Do nosso lado – como espectadores

Vejo muito hoje em dia isso. Todos querem ver algo que lhes faça dizer “oooohhh!!!!”. Algo pra poder comentar no boteco, no cabeleireiro, na reunião de amigos, no Facebook, Twitter e o escambau. “Olha só!!!”. Como se todo mundo já não soubesse. “Cê viu? Um grande talento desperdiçado! Como é que pode?”. Tudo conversa pra boi dormir. Quero ver quem é que vai lembrar de Ted Williams daqui a um mês.

As pessoas ficam impressionadas com pouca coisa. A mídia dá aquela maquiada geral na situação e todo mundo dorme no barulho.

Um outro aspecto

E se alguém parasse ali, onde Ted executava sua mendicância e lhe oferecesse um trabalho – digamos – de faxineiro? Será que alguém já não havia feito isso? Ted Williams jamais teve sequer uma oportunidade de trabalho? Oh, boy…

A mesma câmera que traz pra cima…

Indo um pouco mais adiante. É muito bonito ajudar a um mendigo, certo? Que tal ajudar a pessoa antes que ela caia de vez? Mas não é o que acontece. Os “câmeras” do mundo funcionam tanto para o bem quanto para o mal. Quando alguém está por cima, é só bajulação. Quando está decadente, lá vem eles. Com suas câmeras, para acabar de vez com qualquer chance de recuperação.

Ah, sim… você não acredita. então me diga o que aconteceu com Vanusa, por exemplo:

A excelente cantora Vanusa, que tanto sucesso fez, tão aclamada pelo povo, uma voz belíssima, é simplesmente massacrada neste video inútil e de mau gosto. “Bem feito pra ela…” (o povo gosta). “Quem mandou encher a cara?”. E a culpa não é só dos “câmeras” de plantão. O povo participa. É hora de jogar fulano ou beltrano pra baixo. “Todos juntos vamos…”.

Repare no video, que há vários senhores de terno e gravata, empresários, sabe-se-lá-mais-o-quê. Mas nenhum deles – nenhum – foi homem suficiente para parar com aquilo, conduzir a embriagada Vanusa aos bastidores para ser cuidada e mandar o “câmera’ enfiar o video dele no… você escolhe o lugar.

Ou seja, a mesma câmera que bota pra cima, bota pra baixo. Depende da vontade e empenho da mídia. E da falta de discernimento do povo. Precisamos primeiro jogar a pesoa na sarjeta, para depois “resgatá-la”.

Voltando a Ted Williams

“Ah, que lindo… foi resgatado!” – alguns (muitos) devem estar dizendo. Resgatado de quê? Ted foi salvo dele mesmo. O causador de seus problemas foi ele mesmo. Foi resgatado por alguém? Ótimo. Aproveite a oportunidade, uma segunda (ou terceira, ou quarta…) chance. E que chance! Nos padrões societários em vigência, uma chance dessas vale ouro.  Nos padrões de Deus, talvez não.

Talvez estejam dando a Ted Williams justamente o que ele não precisa. Fama e dinheiro.

About the Author Bruno

4 comments

Comments are closed