Quer criar seu próprio infoproduto?

Inscreva-se e receba um minieBook para saber mais hoje mesmo!

Comportamento humano

Shares

comportamento humanoQuantas vezes você ouviu o têrmo “esse sujeito parece um animal!”? Ou coisa parecida. Na verdade, nós somos mesmo animais, porém, racionais. Mas acredito que às vezes o comportamento humano não é racional. Daí a frase.

Você já fez algo completamente estúpido, por exemplo? Falou alguma besteira da qual se arrepende mesmo anos depois? Perdeu a cabeça em alguma situação? Mandou o chefe para aquele lugar?

Provavelmente fez alguma ou todas estas coisas e mais algumas. Eu também. Fora o resto.

Nestas horas, parece que o racional vai tomar um café, e fica só o animal. Um animal estúpido, grosseiro, malvado, desajeitado, irresponsável, babaca e mais alguns adjetivos do mesmo naipe.

Mas não se preocupe. Você não é assim o tempo inteiro, nem tampouco é o único. Alguns mais, outros menos, todos nós, seres humanos somos assim. Não acredita? Ah, sim… você acha que não é assim. Aguarde a situação certa e tente segurar a fera interna…

Por outro lado, talvez você pense que conhece alguém que não é assim. Aquela pessoa que tem sempre uma boa palavra, até nas piores situações. Que não perde as estribeiras. Não fica nervosa, não agride, não ofende, blá, blá, blá. Pois lembre-se que só mostramos aos outros aquilo que queremos.

Aquela pessoa maravilhosa que você conhece pode ter uma característica que você e eu não temos. Consegue disfarçar a fera. Mostrar só o cordeiro. Não sou psicólogo nem nada, mas acho que isto é pior. É como uma bateria ao contrário. A fera precisa descarregar. Uma pessoa assim não descarrega a bateria, mantendo-a ‘tinindo”. Carga completa. Acredite, aquela carga malvada descarregada de uma só vez faz um estrago danado.

A complexidade do ser humano

Mas não vamos exagerar. O comportamento humano, creio eu, é tão complexo quanto o ser (humano). Somos criaturas complicadas. Analise por um minuto o funcionamento do seu corpo.

Seu cérebro faz complicadíssimos cálculos, em frações de segundos, somente para pegar um copo, sabia? A intenção de pegar o copo dispara a “calculadora mental”, que realiza, nos poucos segundos entre a intenção e o ato, todos os cálculos de distância, velocidade, e também calcula o formato e tamanho do copo. Sua mão então já vai para o copo na velocidade e distância certas, além de assumir o formato e tamanho do mesmo. E isso tudo em frações de segundos, sem que você precise parar para pensar.

Bem, mas isso não é comportamento humano. Foi só para mostrar a complexidade do animal. É por isso que não entendemos – por muitas vezes – a nós mesmos.

O comportamento humano diante da agressão

É curioso, por exemplo, a reação de cada pessoa a uma agressão. Porque alguns se encolhem, não reagindo à altura, enquanto outros reagem na mesma moeda imediatamente? Qual é o comportamento mais humano destes dois? Para mim é o segundo. Como seres humanos, não queremos “levar desafôro pra casa”. O primeiro comportamento é puramente instintivo, de preservação, assim como fazem, geralmente, os animais irracionais. Só partem para a briga quando não tem mais jeito. E brigam só para não morrer. Se for possível, saem de fininho e vão procurar outra coisa pra fazer. Achar comida… muito mais importante.

Veja só. Numa situação como esta acima, o correto seria um comportamento não humano. Fugir, para preservar-se. Mas e a dignidade? O orgulho? O “não ser humilhado”. Complicado, é ou não é? A bem da verdade, até que não somos tão idiotas assim. Da mesma maneira que os animais, via de regra só enfrentamos um inimigo quando achamos que podemos derrotá-lo. Um assaltante armado não está nesta categoria. Por isso entregamos (na maioria das vezes) a grana, o relógio, tênis, cueca… oooppps! Parou…

O ser humano é ruim?

Outra característica que tenho reparado no comportamento humano, é que temos facilidade para assumir comportamentos ruis ou negativos. E dificuldade em aprender e praticar os bons, positivos. a própria bíblia fala disso: “o bem que quero fazer não faço, mas o mal que não quero, este sim, eu faço…”.

Observe a si mesmo no dia-a-dia. Repare que em determinadas situações você tem um impulso de ajudar alguém, interceder por um colega de trabalho ou uma pessoa na rua. Dar cinquenta reais (e não uma moeda) ao mendigo. Dizer uma palavra amiga a um estranho em dificuldades. Enfim, fazer coisas boas. Mas por alguma razão você acaba não fazendo.

Mas quando se trata de levar vantagem, ganhar mais, sair por cima, ficar bonito na foto, chegar primeiro, ser o maior, o melhor… você (e o resto de nós) faz – geralmente – muita coisa ruim.

Será que nós – seres humanos – somo ruins? A resposta – infelizmente – é sim. Nós não vamos ficando ruins ao longo da vida. Somos ruins por natureza. E quanto mais você demora em entender, aceitar e tentar corrigir isto, pior fica – acredite.

É possível melhorar o comportamento humano

É a velha teoria. Para corrigir um problema, primeiro é necessário reconhecer que se tem o problema. Se você caminhar pela vida toda achando que é um tremendo cara bacana…

É claro que muitos – inclusive você – podem discordar. Esta é outra característica com comportamento humano. Às vezes não concordamos com os outros, pelo simples prazer de encher o saco mesmo. Eu mesmo já me peguei fazendo isto. Coisa feia… Calma lá… não quero dizer que se você discordar de mim estará enchendo o saco. Pode discordar à vontade. Tentarei refrear meu comportamento.

Afinal – e isso me ocorreu agorinha – será que deveríamos adotar um comportamento “menos humano”? Ora, se somos ruins por natureza…

Textos relacionados: Comportamento – ser e estar

autor da foto

About the Author Bruno

Popular posts